Sem categoria

Postado em 25/01/2018 5:22

Entidades Negras: ‘Elite que condenou Lula é a mesma que vendia escravos’

.

Share Button

O Coletivo de Entidades Negras (CEN) divulgou nota em que repudia a decisão do TRF-4 que confirmou a condenação do ex-presidente Lula e aumentou sua pena para 12 anos de prisão; “Na encenação montada para o julgamente do ex-presidente Lula, as forças progressistas nacionais sentiram pela justiça o mesmo desgosto e descrença que nós negros sentimos e denunciamos diariamente. Afinal somos os pobres e trabalhadores que as elites sempre exploraram e detestaram”, diz a entidade

 

247 – O Coletivo de Entidades Negras (CEN) divulgou nota em que repudia a decisão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) que confirmou a condenação do ex-presidente Lula e aumentou sua pena para 12 anos de prisão.

“Na encenação montada para o julgamente do ex-presidente Lula, as forças progressistas nacionais sentiram pela justiça o mesmo desgosto e descrença que nós negros sentimos e denunciamos diariamente. Afinal somos os pobres e trabalhadores que as elites sempre exploraram e detestaram”, diz a entidade.

Nas redes sociais, viralizou post do jornalista Rodrigo Vianna em que ele demonstra a simbologia em torno do julgamento de Lula. “De um grupo no whatapp: ‘No julgamento mais importante da história do país, uma senhora negra serve café para três homens brancos, os quais julgarão um ex-retirante nordestino. Se não entendermos o simbolismo disso, jamais entenderemos esse país. #CadeAProva?'”, escreveu.

Nota do Coletivo de Entidades Negras/CEN sobre a condenação de Lula pelo TRF-4

A condenação de Lula com aumento de pena amplifica ainda mais o sentimento de injustiça existente no país.

A indignação da militância progressista de esquerda e de todo cidadão que sonha com um outro Brasil possível frente a seletividade adotada pelo sistema de justiça constituído por uma elite branca tradicional e descendente direta da escravidão se resumiu na imagem que foi exibida durante o julgamento do TRF-4 quando uma mulher negra e trabalhadora vez por outra aparecia frente as câmeras a fim de servir água e cafezinho para os juízes brancos do sul do Brasil. Ela é o reflexo do sistema escravista brasileiro e contém em si os símbolos de violência que temos sistematicamente denunciado: a elite branca brindando a vida de privilégios frente ao sentimento cotidiano de impotência de homens e mulheres negras periféricos que são condenados e presos por convicção e sem provas a partir das representações preconceituosas construídas no imaginário nacional acerca dos corpos dos jovens negros, das mulheres negras e dos trabalhadores retirantes oriundos do norte e nordeste do país.

É essa elite violenta, que está acima das leis e sempre viveu às custas do estado brasileiro que elaborou e executou esse golpe branco, jurídico, midíatico, empresarial que estamos vivendo no Brasil hoje.

Essa elite nacional é descendente da mesma elite que comercializava os nossos corpos negros, estupravam as nossas mulheres, perseguia e matava os que lutavam por liberdade. Eles continuam os mesmos.

Compete aos homens e mulheres negras trabalhadorxs, fazermos diferente.

Na encenação montada para o julgamente do ex-presidente Lula, as forças progressistas nacionais sentiram pela justiça o mesmo desgosto e descrença que nós negros sentimos e denunciamos diariamente. Afinal somos os pobres e trabalhadores que as elites sempre exploraram e detestaram.

Continuaremos lutando e, quando chegarmos novamente ao centro do poder, que sejamos negros, indígenas e brancos. Que sejamos homens e mulheres trabalhadoras oriundos das classes populares e com a convicção de que não nos cabe conciliar e sim, extirpar pela raiz essa elite colonizadora com complexo de vira-latas que destila o ódio aos pobres, drenam as riquezas nacionais entregando-as para o exterior e destroem a dignidade brasileira.

Pátria livre, venceremos!

Coordenação Nacional do Coletivo de Entidades Negras/CEN

Share Button

BUSCAR NO SITE: