Internacional

Postado em 18/10/2017 3:28

Gigante ferroviária russa vê America Latina como região muito promissora

.

Share Button

Em apenas 15 anos, a empresa russa Transmashholding se converteu em uma das maiores do mundo no domínio da infraestrutura de transportes ferroviários.

Com 18 empresas integrantes, mais de 40.000 empregados e mais de 10 mercados conquistados em todas as zonas climáticas, o grupo Transmashholding (do russo Holding da Maquinaria de Transporte) mantém sua liderança como o maior fabricante de trens e vagões na Rússia e uma das dez maiores empresas de maquinaria do mundo.

Sputnik Mundo falou com Artiom Lebedev, chefe do departamento de comunicações externas da Transmashholding para discutir a história, desafios, êxitos e planos da empresa.Na época da criação da empresa, conta Lebedev, as fábricas que hoje em dia integram a Transmashholding praticamente não existiam. Os gigantes industriais soviéticos sobreviveram mal à transição para a economia de mercado, bem como seu maior comprador, a indústria ferroviária. Por isso, nem se falava da compra de novos veículos, os recursos permitiram apenas manter os que já existiam. A produção caiu em dezenas de vezes e a maioria dos empregados foi demitida por não haver trabalho.

Apenas em meados dos 2000, com criação da RZD (Ferrovias Russas), ressurgiram os pedidos, o cliente deu a perceber que precisava de trens e vagões novos, não apenas dos produzidos recentemente, mas mais avançados do que seus antecessores.

“Nesta situação, a nascente Transmashholding se deparou com o desafio de restabelecer os laços industriais, desenvolver de novos equipamentos e lançar a fabricação dos aparelhos mais cruciais, como as locomotivas para trens de carga e de passageiros”, diz Lebedev.

Hoje em dia, a empresa cria produtos que podem concorrer ou até superar os produtos de outros gigantes mundiais neste ramo.O processo de modernização exigiu muitos investimentos, cerca de 1,2 bilhões de dólares, detalha Lebedev. Entre os produtos mais destacados que saíram para o mercado o diretor de comunicações externas indica as locomotivas elétricas EP20 e 2ES5 e a locomotiva diesel-elétrica 2TEC25KM, que são apenas uma parte dos muitos modelos (72, no total) lançados pela empresa.

A locomotiva elétrica para trens de passageiros EP20, adaptada para uso de dois sistemas de eletrificação ferroviária
A locomotiva elétrica para trens de passageiros EP20, adaptada para uso de dois sistemas de eletrificação ferroviária

Como toda empresa-gigante, a Transmashholding tem como prioridade aumentar sua cooperação com fabricantes estrangeiros. Entre os parceiros mais importantes Lebedev destacou a Alstom francesa e a General Electric norte-americana. Segundo afirma Artiom Lebedev, ainda existem áreas em que os análogos estrangeiros são melhores: por exemplo, os mancais, que são muito importantes na indústria ferroviária. Para produzi-los na Rússia, é necessário renovar as plantas de mancais, frisou Lebedev.

Falando das sanções, que de alguma maneira tocaram todas áreas da produção e economia russa, Lebedev disse o seguinte:

“Qualquer crise tem dois lados. Por um lado, os nossos lucros diminuíram em comparação com os períodos anteriores à crise. Por outro lado, recebemos um impulso extra para nos desenvolvermos: melhoramos nossos custos, entramos em novos mercados, etc.”

O motor diesel D300 fabricado pela Transmasholding
O motor diesel D300 fabricado pela Transmasholding

A empresa ferroviária em um país como a Rússia enfrenta certos desafios devido ao clima e às distâncias. Os caminhos de ferro russos têm suas particularidades, afirma Lebedev.

“Além das condições climáticas diversas e das diferenças nos padrões de altura e largura dos veículos, a própria infraestrutura ferroviária é diferente: a ‘bitola russa’ é de 1.520 mm, enquanto a bitola padrão na maioria dos países é de 1.435 mm”, explicou.O modelo EP20, adaptado para uso com dois sistemas de eletrificação ferroviária, com corrente contínua e corrente alternada, são objeto de orgulho para os desenvolvedores da Transmashholding, confessa Lebedev. Estas locomotivas alcançam velocidades de até 200 km/h pelas estradas de ferro existentes.

“Também consideramos nossos vagões do metrô como os melhores, ao ter em conta as exigências infraestruturais. Por sua eficácia, segurança, viabilidade e informatização é difícil encontrar um concorrente”, declarou ele.

O trem de metrô Moskva, já em serviço no sistema de transporte público da capital russa
O trem de metrô Moskva, já em serviço no sistema de transporte público da capital russa

No que diz respeito aos mercados estrangeiros, a Transmashholding já realizou projetos na Europa: na Sérvia e Hungria.

“As regiões mais distantes também são a nossa prioridade. Acima de tudo trata-se do Oriente Médio, em particular o Irã, onde há uma forte demanda para renovar o transporte ferroviário. América Latina consideramos uma região muito promissora para estabelecer acordos mutuamente vantajosos”, afirma Lebedev.

Segundo ele, a Transmashholding pode oferecer qualquer veículo ferroviário, mas também fornece componentes para grandes projetos estrangeiros. Por exemplo, exporta componentes para equipar o metrô do Panamá.Para Lebedev, como transporte terrestre de longas distâncias, o transporte ferroviário não terá concorrentes por muito tempo: sua eficiência econômica e sua capacidade de organizar fluxos de mercadorias é indiscutível. No caso da Rússia, é basicamente insubstituível.

O interior do trem elétrico EP2D da Transmashholding
O interior do trem elétrico EP2D da Transmashholding

No seu desenvolvimento impetuoso, a empresa não esquece o meio ambiente. Claro que é bem difícil, pois ainda não existem baterias com capacidade de carga alta o suficiente para alimentar um trem elétrico de longo curso. Mas é possível transitar para um combustível mais ecológico: a empresa já desenvolveu uma locomotiva alimentada com gás natural, que é muito mais limpo. Ter o gás como combustível é uma questão em foco para empresa.

Entre outros planos da gigante russa está o desenvolvimento de todo o tipo de transporte ferroviário, mas ainda é cedo para revelar suas características.

“Em breve entrarão em serviço em massa nossos trens Ivolga, projetados e construídos com tecnologias e componentes russos. Representam, sem dúvida, um novo nível para a indústria russa de locomotivas elétricas”, informou Lebedev.

Além disso, ele sublinhou a atenção da empresa ao conforto dos passageiros.

“Em particular, desenvolvemos sistemas de supressão de ruído e vagões modulares, podem ser adaptados a qualquer exigência do cliente”, resumiu o diretor de comunicações externas da Transmashholding.

A locomotiva de manobras TEM28, a ponto de receber o certificado de uso
A locomotiva de manobras TEM28, a ponto de receber o certificado de uso
Share Button

BUSCAR NO SITE: